Tags

, , ,

Oi, como estão? Esta resenha é bem diferente das que já fiz, afinal, são duas numa única postagem… Acabei de ler Enders, demorei um pouco por que não queria terminar tão rápido, pois gostei muito dessa distopia, escrita pela Lissa Price. Onde, durante uma guerra, foi lançado um “vírus”, que só quem podiam tomar o antídoto contra esse “vírus” eram as crianças e os idosos, então… Só eles conseguiram sobreviver. Daí, a sociedade vive num desiquilíbrio, em que jovens para sobreviver, recorrem à maneiras de certa forma ilegal. E também faz apelo a ditadura da beleza. 

#STARTERS

starters capa

Callie, seu irmão mais novo, Tyler e Michael, amigo de infância, são sobreviventes. Conseguiram viver depois da Guerra dos Esporos, onde todos os adultos entre 20 e 60 anos morreram. Com isso, a sociedade se dividiu entre idosos (enders) querendo ser jovens novamente, a estimativa em média de vida estendeu para 200 anos, e adolescentes (starters), grande maioria órfãos e pobres caçados pelas autoridades, vivendo escondidos em busca de continuar vivos. A minoria desses adolescentes eram netos de idosos com mais de 60 anos e tinham uma vida totalmente contrária aos starters.

A Guerra dos Esporos deixou Callie e seu irmão na rua. Tyler vive doente e as lembranças são poucas. Em meio a esse cenário de sobrevivência, existe a Prime Destinations, criada por um ender (o Velho), onde fazia um contrato com os adolescentes para trocar de corpo com outros enders, esse processo seria um investimento e de certa forma uma saída para permanecer com dinheiro, no caso dos starters. Então, em meio aos conflitos enfrentados por Callie, decide entregar-se a esse procedimento, ilegal, para conseguir dinheiro e ajudar seu irmão e seu amigo.

Para isso é instalado um chip no crânio, e o que parece é que seu chip veio com defeito e o pior: ela consegue ouvir a sua locatária e implora para que não retorne a Prime para consertar, pois é perigoso. Sem ter escolha, a Callie volta à casa da Ender que a alugou e assume sua vida. Cercada de riqueza e ela se envolve com um garoto muito bonito, Blake, neto de um senador muito importante, a partir daí o livro perde um pouco o foco, e enfatiza mais o romance, onde muitas vezes põe em risco a narrativa.

4 ESTRELAS

4 ESTRELAS

#ENDERS

Enders - Novo Conceito

Foi bem difícil resenhar Enders sem dar spoilers, então se você não leu o primeiro livro, acho melhor para de ler essa resenha, pois pode conter spoilers do primeiro livro, pois “Enders” começa bem onde o outro terminou, então não vai dar para ler o segundo sem ter lido o primeiro.

O desejo insaciável da Callie de descobrir a verdade sobre o Velho, sobre o seu pai, e o dever de cuidar de seu irmão, Tyler, acabam deixando Callie em um conflito, e para nossa alegria eis que a ajuda vem de uma fonte totalmente desconhecida e inesperada.

Quando prestes a se entregar ao Velho, que está obsessivo por colocar as mãos em seu neurochip adulterado que lhe permite matar quando esta sendo controlada, a ajuda vem de alguém inimaginável. Hyden, o filho do Velho, que aparentemente é um dos cientistas que o ajudou a desenvolver os chips, e que agora luta para destruir a tecnologia e dar um fim a ganancia desmedida de seu pai, se alia a Callie nesta luta.
Então Callie e Hyden se juntam em uma busca a todos os “Metais”, Starters que possuem o chip, para garantir a segurança e impedir que o Velho possa utiliza-los para atingir seus objetivos.

Assim como Starters, Enders segue o mesmo padrão, onde o romance toma conta do que realmente interessa, apesar de a leitura seguir um ritmo leve e agradável. Outro ponto de que deixou a desejar para este “final”, é a falta de respostas, continuamos não sabendo nada sobre a guerra, nem como aconteceu, e muito menos o seu motivo. O futuro de Callie também é inserto, inclusive o amoroso, não sabemos se ela fica com o Michael, que é praticamente o seu companheiro, ou se a química entre ela e Hyden realmente vai levar a alguma coisa a mais, já que esse clima de romance toma praticamente metade do livro.

Não aceito o livro ter acabado tão vago, a Lissa P. deveria, sim, continuar com a história, eu fiquei muito triste de ter terminado de ler e saber que era só aquilo mesmo e fim. Porém, a duologia foi muito bem escrita, a autora conseguiu prender minha atenção nos capítulos, os personagens continuaram com suas características. E, mesmo narrado na 3º pessoa você consegue sentir o que eles estão enfrentando.

4 ESTRELAS

4 ESTRELAS

NICK NERDBOOKS 2

Anúncios