Tags

, , , , , , , , ,

2bb62db4-43cb-454e-b0af-20504867e1f3_560_420

O novo CD da Beyoncé tem dividido opiniões e muitos debates são evitados pela cultura pop todos os dias. “Lemonade” é “baseado na jornada de autoconhecimento e cura de todas as mulheres”. Afirma anúncio do Tidal, plataforma de Jay Z onde o álbum está disponível. E, mais uma vez a cantora trouxe temas que precisam ser discutidos no mundo, preconceito racial e feminismo. Mas, será esse o real ou o principal intuito da Beyoncé?

Sabemos que por trás de toda mídia há um interesse maior que vai além da cultura, além da quebra de paradigmas. A indústria que envolve essas mídias pesquisa o que está em destaque no mundo, o que está sendo falado e o que está em evidência, para assim criarem um produto para ser vendido, ou seja, vender cultura, vender o popular e o que está sendo discutido.

Ainda hoje, somos cercados por preconceitos e discriminações, o título Lemonade, tem como referência a escravidão americana, onde na crença dos negros, o suco limão, limonada, clareava a pele. Além disso, Beyoncé ainda afirma que seu CD é um ato político.

Os profissionais que estão por “trás das câmeras” pensam e agem conforme nossas perspectivas, não se preocupam com a mensagem que as músicas carregam e Beyoncé, assim como o CD, também está sendo usada como produto, pois sua imagem de “poder” e “dominação” atinge a massa que carece desses trejeitos e a veem como uma referência, uma personalidade a ser tomada para si.

A mídia, como foi citada acima, não visa o misterioso, mas o obvio, o que está na nossa frente fazendo com que tenhamos curiosidade de confirmar nossas hipóteses. Mas, o que está por trás desse “obvio” tem o intuito de satisfazer a si mesmo e ver que independente do está sendo abordada a maioria ou a massa, são influenciados a consumir e compartilhar o “produto cultural” vendido.

Então, mais uma vez, Beyoncé fica à frente de muitos cantores por persuadir a massa para que a vejam como inovadora, a apoiadora das causas que se importa com a “minoria”. Quando na verdade, pode sim existir essa preocupação, mas não é o principal motivo para criação e o uso da história dos negros, do preconceito racial que é abordado no CD, mas sim por esse assunto estar atualmente sendo discutido e questionado.

Você deve lembrar que antes, as negras não usavam seus cachos a mostra, os cabelos eram superficialmente alisados. Mas, há uns dois anos isso veio mudando e as mesmas negras que alisavam os cabelos, não se preocupam e “assumiram” seus cachos, seus crespos.

O marketing da Beyoncé é poderosíssimo, as pesquisas de campo, as letras das músicas, os vídeos para divulgação, tudo é pensado e formulado para influenciar e assim obter retorno positivo do trabalho, por trazer o atual/passado, o que se discute na minoria, para ser discutido na maioria, é isso que querem que comprem, e conseguem.

Anúncios