Tags

, , , , , , , ,

image006-741616

Certo dia, um amigo e eu estávamos conversando e ele me indicou dois filmes para assistir, entre eles o filme, Mais Estranho Que a Ficção. E, deixou claro que todo leitor deveria assisti-lo. No momento em que me indicou eu não poderia assistir por que já era tarde e eu tinha que ir dormir. Mas, hoje me lembrei e resolvi procurar para ver e comprovar se realmente todos nós, leitores, devemos assistir.  

Leiam, assistam e me digam!! ❤

Mais Estranho Que a Ficção narra, literalmente, a vida do Harold Crick (Will Ferrell) que é um funcionário da Receita Federal que trabalha verificando contabilidades de pessoas que caem na malha fina. Ele (e seu relógio) tem uma rotina bem calculada e padronizada. É tudo bem comum na vida de Harold Crick até que um dia ele escuta uma voz que parece estar narrando sua vida e de repente comenta algo relacionado à sua morte que está se aproximando.

Essa voz é a de Karen Eiffel (Emma Thompson) que na verdade está escrevendo um livro sobre Harold Crick, sem saber que ele é uma pessoa de verdade. Karen é uma escritora muito bem sucedida e famosa, mas seu último livro foi lançado há mais de 10 anos. Ela está com bloqueio criativo e não sabe como matar Harold Crick, então sua editora contrata uma assistente (Queen Latifah) para ajudá-la.

Bom, até aqui tudo bem. Se você tiver problemas com S P O I L E R S, não siga…

stranger_than_fiction_opening_contact

Harold Crick está desesperado por causa da voz que disse que ele iria morrer. Ele procura uma psiquiatra que diz que ele está com sintomas de esquizofrenia. Mas Harold não concorda, porque a voz está narrando o que ele faz, e não mandando ele fazer alguma coisa. Ele então procura um doutor em Literatura (Dustin Hoffman) que decide ajudá-lo a descobrir quem é a voz em questão. Para poder ajudar, ele precisa de informações, então ele pede pro Harold fazer uma análise de sua vida e relacionamento com pessoas para descobrir se a história é uma tragédia ou uma comédia.

Harold analisa seu relacionamento com a mulher que está auditando no momento, Ana Pascal (Maggie Gyllenhaal). Ana é dona de uma confeitaria e meio que revolucionária, completamente contra a ideia de O Homem e a receita federal. Harold, naturalmente, é apaixonado nela.

É uma verdade universalmente conhecida que pessoas viciadas em livros (ou quadrinhos ou filmes ou seriados) estão fadadas a ouvir o famoso “é só uma história” ao menos uma vez na vida.

6a00e55090f458883300e55410628b8834-800wi

O filme já destrói com isso. A história de Harold Crick é real, ponto final. Temos até um símbolo muito legal do contraste de pessoas que veem ficção apenas como ficção e pessoas que veem ficção como algo que é vivo e orgânico e que respira. Quando Harold foi procurar especialistas sobre a voz que narrava sua vida, a primeira pessoa que ele procurou, a psiquiatra (uma pessoa da ciência) focou imediatamente no fator doença, como se fosse a única opção, porque é impossível que haja uma voz narrando sua vida. Agora quando ele procurou o professor de Literatura, o cara aceitou quase que imediatamente o que o Harold estava contando, porque ele tem uma mente mais aberta para esse tipo de coisa.

O que nos remete a pensar que, sem generalizar, as pessoas da ciência são “tapadas” e as pessoas da literatura são “iluminadas”. É mais uma colocação simbólica dos tipos de mentes que existem na sociedade.

stranger_than_fiction

No filme, há um momento em que Harold finalmente encontra Karen e eles se conhecem e a Karen já sabe como vai matar o Harold e fica aquela situação chata, então ela dá o manuscrito para ele ler. Enquanto isso, ela tem uma super crise de “quantas pessoas eu matei?”. A lição de moral nem é “devemos matar menos pessoas em livros”, porque morte acontece… é a vida. O ponto principal é que a morte dessas pessoas afeta uma realidade da mesma forma que uma morte nossa, aqui no “mundo real” afeta as pessoas a sua volta.

O filme aborda outros temas, além de como enfrentar a morte, como aproveitar a vida, não viver totalmente solitário, romance. Mas, para finalizar, eu vou deixar para vocês as últimas falas do filme, que aponta para a importância das pequenas coisas:

Anúncios