Tags

, , , , , , , , , , ,

Olá, pessoal. Voltamos com mais uma dica da semana. E essa vai para aqueles que curtem histórias baseadas em relatos reais de povos antigos. O Nerd Book’s de hoje traz para você uma viagem ao mundo congelante, rodeado por fronteiras místicas, de homens desbravadores e suas crenças mitológicas, festejadas a ferro e fogo, em barris de cervejas nas mais intrigantes das orgias peculiares e culturais desse povo, que, aqui, hoje serão lembrados. Para vocês, diretamente do mundo fantástico do Nerd Book’s e pelas mãos do autor Michael Crichton, em uma narrativa nada menos que eletrizante sobre a civilização que vocês já devem ter adivinhado qual seja… Eu lhes apresento:Os Vinkings.

Na resenha de hoje, conduziremos você a uma viagem às lendas desse povo bárbaro através do manuscrito de Ibn Fadlan, que relata suas experiências com os nórdicos em 922 DC. Pelas mãos do autor contemporâneo Michael Crichton, o mesmo autor de Assédio Sexual, surge esta aventurosa obra, chamada “Devoradores de Mortos”, lançada pela editora Rocco em 1998 com o título original: Eaters of the Dead. Alguns anos depois (especificamente 10 anos), em parceria com a editora L&PM Pocket em 2008, o livro foi relançado, sendo o septuagésimo décimo quinto livro da coleção.  Eu sou Rodolfo Rodrigo, resenhista no Nerd Book’s e apresento para vocês esta bela e contagiante leitura. Vamos nessa?!

michaelcrichton_2

Sobre o autor

O escritor Michael Crichton, é hoje um dos mais conhecidos e famosos escritores da atualidade, muito reconhecido também por seus roteiros (não podemos esquecer). Foi autor de vários livros de ficção científica e inúmeros thrillers já rodados pelas salas de cinema de todo o mundo, entre eles e o que mais nos recordamos com todas graças ovacionadas, Jurassic Park ou Parque dos Dinossauros, levado às telas do cinema por nada menos que Steven Spielberg, mas inúmeras outros roteiros também são bem conhecidos, entre os quais podemos destacar o Sol Nascente e também, o Mundo Perdido. Neste seu livro, que aqui apresentamos aos nossos #nerdbooksaholics como a dica da semana, Crichton demonstra seu estudo sobre o povo nórdico através das escritas e impressões de Ibn Fadlan, que tende a ser o primeiro homem a criar um contato e registrá-lo da vida, cultura, costumes e crenças dos vikings em meados do século X. O autor que é um norte americano nascido em Chicago, investiga, questiona todas as escritas do relato já existente sobre os vinkings e juntando todas as pesquisas ele reescreveu de maneira eletrizante uma das maiores experiências de Fadlan com esse povo nórdico.

devoradfefkovgew

Devoradores de Mortos

Bem, pessoal, muitos já devem ter assistido à série Vikings que tem levado muitos telespectadores à frente da telinha, tal como ter ouvido histórias e lendas sobre esse antigo povo europeu. Relembrados em quadrinhos, desenhos animados como Asterix e Obelix, filmes como Thor da franquia da Marvel, entre todos os meios de comunicação, os vikings sempre foram e são admirados até hoje. O livro Devoradores de Mortos, muito conhecido por sinal, conta de maneira detalhada as conhecidas aventuras da sociedade viking através dos relatos de Ahmad Ibn Fadlan, emissário de um certo califa de Bagdá, teve o primeiro contato registrado com o povo nórdico. Sua narração é inédita e até então desconhecida pelo povo do ocidente. Coisas que vocês, meus nerdbooksaholics, perceberão nesse livro são as incríveis e perigosas viagens marítimas desse povo, adoradores dos mares e desbravadores dos oceanos, o que trouxe para os leitores a vaga impressão que eles não eram bárbaros por assim dizer, mas sim, destemidos exploradores dos mares e conquistadores de terras. Várias de suas conquistas são lembradas pelo nome de suas tribos como herança, tal como a Rússia, que vem na verdade da antiga tribo Rus, isso ocorreu em vários lugares do mundo.

No livro, há muitas menções a crenças desse povo, a adoração a deuses e crenças místicas como a de Wendol, nome antigo que quer dizer: névoa negra, para eles significava noites em que demônios cruéis surgiam. Na narrativa, há lutas desse povo com seus demônios, as quais Fadlan, medrosamente, foi obrigado a presenciar e registrar. O emissário, após encontrar-se com os vikings, teve a sorte de não ter sido morto como seria de costume, em troca de sua vida, ele foi levado junto com vários outros guerreiros vikings a uma de suas aventuras desbravadoras em terras frias e inóspitas, que apenas os vikings ousavam atravessar.

vikings-clash

Um dado interessante é que a forma como Ibn Fadlan descreve os vikings se difere bastante da forma como os europeus os descreveram. Quem assiste a série televisiva deve lembrar bem como o clero via os nórdicos escandinavos, como bárbaros, cruéis e pervertidos sexualmente, na época, os sacerdotes europeus eram os únicos a saberem escrever e eles descreveram os vikings como a maior aberração entre os povos já vistos.

Vamos lá, pessoal, vamos entender um pouco mais: Ibn Fadlan vagou como emissário da corte do califa de Bagdá, em junho de 921 (no século X, Bagdá, a Cidade da Paz, era a cidade mais civilizada da terra, com mais de um milhão de habitantes atrás de suas muralhas), ele foi ao encontro do rei dos búlgaros e essa sua jornada lhe custou três longos anos, mas ele não levou a sério sua missão justamente por, no meio do caminho, encontrar o povo nórdico e, com eles, seguir em várias aventuras. No mais, o livro irá trazer inúmeros relatos históricos da época para embasar os manuscritos de Fadlan (o que é bom para o nosso conhecimento histórico), mas não se iludam, na obra, o histórico entra como elemento enriquecedor de uma bela aventura de ficção que, inclusive, é uma das minhas preferidas (*u*). Quando Ibn foi parar no meio da tribo dos turcos, ele já se chocava com tudo o que via, notou que nem as mulheres, nem os homens se limpavam após defecarem ou após relações sexuais, o que poderia ser visto como inaceitável em sua cultura, no entanto, para os vikings, é o que podemos chamar de tabus não existentes. Lembro de vários momentos em que eu me diverti bastante com o livro, pois eu não aguentava a forma como o pobre Ibn Fadlan se chocava com os costumes deles. Principalmente quando as mulheres se mostravam peladas em total naturalidade e ele relutava em não ver ou quando atos como o do mercador que foi seduzido por um jovem rapaz e, após não resistir à tentação, deitou-se com o mesmo, recebendo como pena a morte cruel que consistia em ser preso a dois galhos opostos, que esticados, dilaceravam um corpo ao meio. Mas por sorte o mercador conseguiu pagar com 400 carneiros e se livrou da pena por sua pederastia. Em muitos outros momentos, o mais divertido é, sombra sem sombra de dúvidas, toda a agonia, sofrimento e dilemas pelos quais nosso medroso emissário passa. Apesar de ter curtido bastante os vários momentos de conflitos, não dá para fugir de uma certa melancolia, bem pungente mesmo, quando a morte ou sacrifício dos guerreiros bárbaros são retratados. Eu super recomendo essa leitura para vocês, pessoal. Não poderei mais continuar ou não resistirei e acabarei contando as aventuras que vocês devem ter o prazer de conhecer por si sós. Vocês já devem ter sentido o que vem pela frente. Eu fico por aqui e aguardo seus comentários sobre o livro.

Uma noite calma, um bom café expresso e uma ótima leitura, pessoal.

Por:

Rodolfo R. A. Meneses

Anúncios