Tags

, , , , , , , , ,

81yJ1i8YXuL

Sinopse:

Um romance de ficção científica que aborda o futuro sombrio da tecnologia. Ela está na sua casa. Ela está no seu carro. Ela está no céu. Ela está no seu bolso. E agora a tecnologia quer acabar com você. Uma inteligência artificial é criada: Archos. Em segundos de análise de dados, ela conclui que a humanidade é descartável. A partir disso, ela toma conta de toda forma de tecnologia on-line do mundo. Primeiro, pequenos bugs em equipamentos e programas são percebidos, sem que ninguém se dê conta de nenhuma conexão entre os acontecimentos. Então, no que ficou conhecido como a hora H, Archos lança um ataque total contra a raça humana. Por isso, para detê-la, a humanidade deverá fazer algo que jamais foi tentado antes: unir-se por um objetivo comum.

Título: Robopocalipse 
Título original: Robopocalypse
Autor: Daniel H. Wilson
Ano: 2017
Páginas: 
406

Editora: Record

Amazon

Livro cedido através da parceria com a editora

3 SABRES

Resenha:

Quando eu recebi o livro da Editora Record, pensei imediatamente em Eu, Robô de Isaac Asimov, mas o que realmente chamou minha atenção e me convenceu a ler naquele mesmo dia o romance de Daniel H. Wilson foi saber que Steven Spielberg – um dos cineastas mais fodas de todos os tempos – estava dirigindo a adaptação do filme.

Robopocalipse começa com um grupo de combatentes da resistência humana – sobreviventes da Nova Guerra – descobrindo um cubo preto contendo uma história meticulosa da revolta do robô: como e por que começou, como os robôs atacaram a humanidade e como a humanidade sofreu e lutou. A informação contida neste é traduzida e comprometida com o texto de Cormac Wallace, líder da equipe da Brightboy.

O que se segue é uma série de pontos de vista na veia da Guerra Mundial de Max Brooks, descrevendo eventos do despertar dos Archos e da hora H até o fim da Nova Guerra. Ao contrário da Guerra Mundial Z, os pontos de vista em Robopocalipse seguem principalmente um núcleo de personagens que inclui a deputada Laura Pérez e seus filhos, Mathilda e Nolan; Oficial Lonnie Wayne Blanton e seu filho Paul; Takeo Nomura; Um hacker chamado Lurker; Marcus Johnson e sua esposa Dawn; Um robô livre que se chama Nine Oh Two; E o próprio Cormac Wallace. Principalmente, esses pontos de vista que estão relacionadas na primeira ou terceira pessoa, mas ocasionalmente o autor fica criativo e usa um método diferente, como transcrever uma conversa entre dois controladores de tráfego aéreo, descrevendo imagens captadas através de webcams e câmeras CCTV e um diário de áudio.

CAPAPARARESENHA

Estilisticamente, esses pontos de vista são uma ótima maneira de cobrir uma grande quantidade de história em um curto período de tempo, o que é exatamente o que o Robocalipse realiza. Infelizmente, o autor faz uma série de decisões questionáveis ​​ao longo do caminho, como limitar o alcance da história (Japão, Londres, Afeganistão, Alasca, Boston, Nova York, Oklahoma, Brasil) e o elenco de personagens a uma escala tão estreita, quando o mundo é tão grande e as pessoas tão diversas. Pessoalmente, eu adoraria ter visto mais como diferentes pessoas em todo o mundo estavam lidando com a revolta e lutando. Então, o autor deveria ter sido mais ambicioso e escrever uma história, consequentemente, mais ambiciosa. Mesmo com o livro concentrando-se em um núcleo de personagens, é quase impossível conectar-se com alguém ou se preocupar com o que acontece com alguém por causa da falta de profundidade e personalidades suaves. Nine Oh Two é uma exceção, mas o robô freeborn não aparece até o romance terminar, enquanto Archos é indiscutivelmente o personagem mais interessante do Robopocalipse, exceto que o AI quase não aparece no livro. Além disso, há inúmeras inconsistências no na história, como Mathilda, que se torna uma “pessoa cega” – supostamente só vê as pessoas como assinaturas de calor e músculos -, mas ainda pode dizer se alguém é preto ou bonito.

Por fim, queria que Daniel H. Wilson tivesse sido mais criativo com o livro. Enquanto chegamos a ver brinquedos, carros, aviões, elevadores, robôs domésticos e robôs militares contra a humanidade, o autor poderia ter feito muito mais, especialmente considerando o papel importante que a tecnologia desempenha em nossas vidas. Além disso, enquanto alguns dos robôs que Daniel H. Wilson vem inventando são inventivos como a unidade de segurança e pacificação (SAP) usada no Afeganistão, hexápodes explosivos (robôs), robôs que podem animar cadáveres e pluggers, a maioria das ideias – e os temas – encontrados no Robopocalipse são “emprestados” de outras fontes. Por exemplo, Matrix, 9, Philip K. Dick e vários outros filmes e livros apocalípticos/pós-apocalípticos também vieram à mente.

Do lado positivo, o Robopocalipse é um passeio de emoção muito acelerado, cheio de momentos divertidos que são fáceis de visualizar e que se traduzem perfeitamente na tela grande. Os capítulos “Phreak” e “Demolição”, em particular, são duas cenas de muitas que mal posso aguardar para ver trazidas à vida.