Resenhas

Resenha: Devoradores de Mortos, Michael Crichton

Olá, pessoal. Voltamos com mais uma dica da semana. E essa vai para aqueles que curtem histórias baseadas em relatos reais de povos antigos. O Nerd Book’s de hoje traz para você uma viagem ao mundo congelante, rodeado por fronteiras místicas, de homens desbravadores e suas crenças mitológicas, festejadas a ferro e fogo, em barris de cervejas nas mais intrigantes das orgias peculiares e culturais desse povo, que, aqui, hoje serão lembrados. Para vocês, diretamente do mundo fantástico do Nerd Book’s e pelas mãos do autor Michael Crichton, em uma narrativa nada menos que eletrizante sobre a civilização que vocês já devem ter adivinhado qual seja… Eu lhes apresento:Os Vinkings.

Na resenha de hoje, conduziremos você a uma viagem às lendas desse povo bárbaro através do manuscrito de Ibn Fadlan, que relata suas experiências com os nórdicos em 922 DC. Pelas mãos do autor contemporâneo Michael Crichton, o mesmo autor de Assédio Sexual, surge esta aventurosa obra, chamada “Devoradores de Mortos”, lançada pela editora Rocco em 1998 com o título original: Eaters of the Dead. Alguns anos depois (especificamente 10 anos), em parceria com a editora L&PM Pocket em 2008, o livro foi relançado, sendo o septuagésimo décimo quinto livro da coleção.  Eu sou Rodolfo Rodrigo, resenhista no Nerd Book’s e apresento para vocês esta bela e contagiante leitura. Vamos nessa?!

michaelcrichton_2

Sobre o autor

O escritor Michael Crichton, é hoje um dos mais conhecidos e famosos escritores da atualidade, muito reconhecido também por seus roteiros (não podemos esquecer). Foi autor de vários livros de ficção científica e inúmeros thrillers já rodados pelas salas de cinema de todo o mundo, entre eles e o que mais nos recordamos com todas graças ovacionadas, Jurassic Park ou Parque dos Dinossauros, levado às telas do cinema por nada menos que Steven Spielberg, mas inúmeras outros roteiros também são bem conhecidos, entre os quais podemos destacar o Sol Nascente e também, o Mundo Perdido. Neste seu livro, que aqui apresentamos aos nossos #nerdbooksaholics como a dica da semana, Crichton demonstra seu estudo sobre o povo nórdico através das escritas e impressões de Ibn Fadlan, que tende a ser o primeiro homem a criar um contato e registrá-lo da vida, cultura, costumes e crenças dos vikings em meados do século X. O autor que é um norte americano nascido em Chicago, investiga, questiona todas as escritas do relato já existente sobre os vinkings e juntando todas as pesquisas ele reescreveu de maneira eletrizante uma das maiores experiências de Fadlan com esse povo nórdico.

devoradfefkovgew

Devoradores de Mortos

Bem, pessoal, muitos já devem ter assistido à série Vikings que tem levado muitos telespectadores à frente da telinha, tal como ter ouvido histórias e lendas sobre esse antigo povo europeu. Relembrados em quadrinhos, desenhos animados como Asterix e Obelix, filmes como Thor da franquia da Marvel, entre todos os meios de comunicação, os vikings sempre foram e são admirados até hoje. O livro Devoradores de Mortos, muito conhecido por sinal, conta de maneira detalhada as conhecidas aventuras da sociedade viking através dos relatos de Ahmad Ibn Fadlan, emissário de um certo califa de Bagdá, teve o primeiro contato registrado com o povo nórdico. Sua narração é inédita e até então desconhecida pelo povo do ocidente. Coisas que vocês, meus nerdbooksaholics, perceberão nesse livro são as incríveis e perigosas viagens marítimas desse povo, adoradores dos mares e desbravadores dos oceanos, o que trouxe para os leitores a vaga impressão que eles não eram bárbaros por assim dizer, mas sim, destemidos exploradores dos mares e conquistadores de terras. Várias de suas conquistas são lembradas pelo nome de suas tribos como herança, tal como a Rússia, que vem na verdade da antiga tribo Rus, isso ocorreu em vários lugares do mundo.

No livro, há muitas menções a crenças desse povo, a adoração a deuses e crenças místicas como a de Wendol, nome antigo que quer dizer: névoa negra, para eles significava noites em que demônios cruéis surgiam. Na narrativa, há lutas desse povo com seus demônios, as quais Fadlan, medrosamente, foi obrigado a presenciar e registrar. O emissário, após encontrar-se com os vikings, teve a sorte de não ter sido morto como seria de costume, em troca de sua vida, ele foi levado junto com vários outros guerreiros vikings a uma de suas aventuras desbravadoras em terras frias e inóspitas, que apenas os vikings ousavam atravessar.

vikings-clash

Um dado interessante é que a forma como Ibn Fadlan descreve os vikings se difere bastante da forma como os europeus os descreveram. Quem assiste a série televisiva deve lembrar bem como o clero via os nórdicos escandinavos, como bárbaros, cruéis e pervertidos sexualmente, na época, os sacerdotes europeus eram os únicos a saberem escrever e eles descreveram os vikings como a maior aberração entre os povos já vistos.

Vamos lá, pessoal, vamos entender um pouco mais: Ibn Fadlan vagou como emissário da corte do califa de Bagdá, em junho de 921 (no século X, Bagdá, a Cidade da Paz, era a cidade mais civilizada da terra, com mais de um milhão de habitantes atrás de suas muralhas), ele foi ao encontro do rei dos búlgaros e essa sua jornada lhe custou três longos anos, mas ele não levou a sério sua missão justamente por, no meio do caminho, encontrar o povo nórdico e, com eles, seguir em várias aventuras. No mais, o livro irá trazer inúmeros relatos históricos da época para embasar os manuscritos de Fadlan (o que é bom para o nosso conhecimento histórico), mas não se iludam, na obra, o histórico entra como elemento enriquecedor de uma bela aventura de ficção que, inclusive, é uma das minhas preferidas (*u*). Quando Ibn foi parar no meio da tribo dos turcos, ele já se chocava com tudo o que via, notou que nem as mulheres, nem os homens se limpavam após defecarem ou após relações sexuais, o que poderia ser visto como inaceitável em sua cultura, no entanto, para os vikings, é o que podemos chamar de tabus não existentes. Lembro de vários momentos em que eu me diverti bastante com o livro, pois eu não aguentava a forma como o pobre Ibn Fadlan se chocava com os costumes deles. Principalmente quando as mulheres se mostravam peladas em total naturalidade e ele relutava em não ver ou quando atos como o do mercador que foi seduzido por um jovem rapaz e, após não resistir à tentação, deitou-se com o mesmo, recebendo como pena a morte cruel que consistia em ser preso a dois galhos opostos, que esticados, dilaceravam um corpo ao meio. Mas por sorte o mercador conseguiu pagar com 400 carneiros e se livrou da pena por sua pederastia. Em muitos outros momentos, o mais divertido é, sombra sem sombra de dúvidas, toda a agonia, sofrimento e dilemas pelos quais nosso medroso emissário passa. Apesar de ter curtido bastante os vários momentos de conflitos, não dá para fugir de uma certa melancolia, bem pungente mesmo, quando a morte ou sacrifício dos guerreiros bárbaros são retratados. Eu super recomendo essa leitura para vocês, pessoal. Não poderei mais continuar ou não resistirei e acabarei contando as aventuras que vocês devem ter o prazer de conhecer por si sós. Vocês já devem ter sentido o que vem pela frente. Eu fico por aqui e aguardo seus comentários sobre o livro.

Uma noite calma, um bom café expresso e uma ótima leitura, pessoal.

Por:

Rodolfo R. A. Meneses

3 Estrelas, Resenhas

Resenha: O Diário De Um Mago, Paulo Coelho

Olá, pessoal! Voltamos com mais uma resenha para os nossos #nerdbookaholics. Desta vez resolvi trazer uma obra nacional, vale a pena conferir, vamos lá?!

Obs.: Eu resolvi escolher essa obra por perceber que muitos de nossos leitores curtem enredos que se perpassam por narrações mágicas, onde podemos sair um pouco da realidade crua e vagar por caminhos imaginários, acreditando que há sempre um lado espiritual, energético, de encantos entre razão, sentimentos e sentidos. A obra conta com um pouco disso, mas que se conduz em nosso plano natural, buscando atrair a essência do rompimento de certas fronteiras de nossas mentes, bastando apenas crer e executá-las.

Eu tenho algo bem legal para dizer sobre como descobri esse livro antes de começar a resenha-lo, quando eu resolvi ler esse trabalho do Paulo Coelho, já havia lido outras obras como O Alquimista e não nego que não tinha interesse em conhecer essa. Mas certo dia ao sair de casa pela manhã indo para a universidade. Ao chegar em minha calçada lá estava. Um livro aberto jogado ao chão com uma página da contracapa rasgada. O livro era antigo, mas ainda perfeito para seu intuito e finalidade. Suas manchas e pequenas orelhas nas extremidades das folhas levemente amareladas não me fizeram rejeitar sua atração. Afinal era um livro! Ao pegá-lo no chão, olhei em volta, não havia ninguém na rua eu o fechei e lá estava “O Diário De Um Mago”. Eu o coloquei na mochila e o levei comigo. Cuidei dele ao retornar aos meus aposentos. Retirei as orelhas das páginas, limpei, o sequei ainda estava úmido devido a madrugada fria que paira no Planalto da Borborema, guardando-o assim por sete dias embaixo de uma ruma de livros maiores e pesados, para que ele pudesse voltar ao estado adequado para sua possível conservação. Depois eu o li atenciosamente. E foi desta forma que tal obra chegou até mim. Num acaso em que o destino nos cruzou após algum desordenado ser humano o jogá-lo fora, especificamente em minha calçada. Eu o tenho até hoje. A 74ª edição da editora Rocco, fez então parte de minha coleção de livros em minha estante desde então. Isso ocorreu em 2014.

diario-mago

Sinopse:

“Cheguei à cidade depois de tomar um ônibus da linha entre Pedrafita e Compostela. Em 4 horas fizemos os 150 km que separavam essas duas cidades e me lembrei da minha peregrinação: às vezes precisava de duas semanas para percorrer essa mesma distância a pé. Dentro de pouco tempo pegarei um avião de volta para o Brasil… Tenho muito o que fazer. Passa pela minha cabeça a ideia de escrever um livro sobre o que vivi. Mas esta é ainda uma ideia remota…” – Paulo Coelho

Título: O Diário de um Mago  
Título original: –
Autor: Paulo Coelho
Ano: 1993
Páginas:
246

Editora: Rocco

3 SABRES

Skoob | Goodreads | Adquira

111274754249g

Sobre o autor

Nasceu em 1947, na cidade do Rio de Janeiro. Antes de dedicar-se inteiramente à literatura, trabalhou como diretor e ator de teatro, compositor e jornalista.

Paulo Coelho escreveu letras de música para alguns dos nomes mais famosos da música brasileira, como Elis Regina e Rita Lee. Seu trabalho mais conhecido, porém, foram as parcerias musicais com Raul Seixas, que resultou em sucessos como Eu nasci há dez mil anos atrás, Gita, Al Capone, entre outras 60 composições com o grande mito do rock no Brasil.

Em 1986, PAULO COELHO fez a peregrinação pelo Caminho de Santiago, cuja experiência seria descrita em O Diário de um Mago. No ano seguinte (1988), publicou O Alquimista, que – apesar de sua lenta vendagem inicial, o que provocou a desistência do seu primeiro editor – se transformaria no livro brasileiro mais vendido em todos os tempos. Outros títulos incluem Brida (1990), As Valkírias (1992), Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei (1994), a coletânea das melhores colunas publicadas na Folha de São Paulo, Maktub (1994), uma compilação de textos seus em Frases (1995), O Monte Cinco (1996), O Manual do Guerreiro da Luz (1997), Veronika decide morrer (1998), O demônio e a Srta. Prym (2000), a coletânea de contos tradicionais em Histórias para pais, filhos e netos (2001), Onze Minutos (2003), O Zahir (2005), A Bruxa de Portobello (2006), O Vencedor está só (2008) e a compilação de textos Ser como o rio que flui (2006).

Fez também a adaptação de O dom supremo (Henry Drummond) e Cartas de Amor de um Profeta (Khalil Gibran).

Sobre a obra

O livro conta a história, ou melhor dizendo, a vivência tida pelo autor em uma jornada em 1986, por um caminho que é percorrido por milhares de turistas de vários cantos do mundo todos os anos. Por três meses, o autor do mesmo, o compositor e jornalista, Paulo Coelho, caminhou a pé os quase setecentos quilômetros entre o sul da França, e que a separam da cidade de Galícia. Isso, feito por muitos na cidade de Santiago de Compostela, ele percorreu tal percurso em busca de mistérios e conhecimentos sagrados sobre magias. Havendo em sua trajetória um grande ser italiano que passou a ser seu guia e nessa peregrinação, eles experimentaram vários momentos místicos e ensinamentos que Paulo Coelho passou a conhecer, como por exemplo As Práticas de RAM, na peregrinação por um dos três caminhos sagrados de uma crença antiga. Esse estranho Caminho de Santiago, diz o autor, mudou sua vida e ele, com todo o seu jeito intenso de expor suas vivências nos repassa nesse livro. É sempre muito complicado tentar manter os intensos e dedicados leitores do Nerd Book’s, preparados para a leitura em uma resenha sem dar pequenos spoilers. Mas sempre tentamos nos esforçar. Vamos sempre tentando construir um caminho que não ultrapassem os limites do interesse pela obra. Muitos já devem conhecer a obra, outros, no entanto ainda pretendem ou acabarão o lendo, de alguma forma ou de outra, como aconteceu comigo em que ele surgiu em meu caminho.

94e960bd-c6c9-4e5a-bed3-293fcaf99e5a

O livro, que Paulo Coelho dedica com todo entusiasmo à Petrus por toda sua compreensão em não ceder aos abusos dele em querer transformá-lo (típicos de pessoas autoconfiantes), resultou em vários ensinamentos que o autor vai descrevendo no decorrer da história. Ele irá mostrar alguns exercícios que aprendeu, tais como alguns rituais, que são praticados a milênios nesse caminho de Santiago de Compostela e que até os dias de hoje, é realizado por inúmeros turistas e pessoas em busca de espiritualidade, e novos conceitos, que peregrinam por essas trilhas. Paulo Coelho traz para nós esses ensinamentos. Como sei que comecei e seria injusto não falar de algum deles, antecipo meus caros amigos e amigas, quais são eles: O Exercício da Semente, o Exercício da Velocidade, o exercício da Água, o Exercício da Crueldade, o Exercício do Enterrado Vivo, o Exercício das Sombras, o exercício da Audição e o Exercício da Dança. Esses são os exercícios que ele aprendeu e se submeteu a fazê-los em sua peregrinação, tendo ainda alguns outros rituais, mas que deixarei vocês descobrirem por si sós. Logo ele os descreve para que nós possamos alcança-los também. Mas meus amores, preciso ser sincero, eu tentei praticá-los, contudo não tive muito êxito, mentalmente eu não estava preparado para eles, apesar de eu ter tentado realizar todos para melhor compreender o livro, havia um que causava uma grande dor, eu não o executei perfeitamente, pois só aceito bem a dor que seja motivada pelo amor, sou romântico, fazer o quê? Outros tipos de dores para mim são incômodos. Vou citar apenas um dos Exercícios para que possam compreender melhor:

6faee531-cc86-4ec2-b4ac-c62f6be195e6

E desta forma segue as escrituras de Paulo Coelho, contando como foi sua peregrinação e suas descobertas, ele descreve sua luta pelo segredo contido em sua espada (ele adora espadas), mas é preciso ler para saber o que ele descobriu, pois não irei dizer (risos). O Nerd Book’s tem a finalidade de prepará-los para a leitura, deixando assim a opinião sobre o livro ser analisada de acordo com o momento, percepção e estado emocional de cada um de vocês. E aqui me disperso e deixo vocês com mais uma boa leitura. Aguardamos ansiosos pelos seus comentários sobre o livro. Lembrando sempre que quem faz o Nerd Book’s são vocês.

Um bom café, um forte abraço e uma ótima leitura!

5 Estrelas, Resenhas

Resenha: 666 O Limiar do Inferno, Jay Anson

Sinopse:

O casal Keith e Jennifer volta pra casa após curtas férias e, atrás de seu quintal percebe uma casa que não estava lá antes: um casarão vitoriano que foi transportado até lá enquanto viajavam. Acontece que a casa não é necessariamente abençoada: ao investigá-la, Keith descobre que o antigo morador assassinou a amante e o cunhado lá dentro. Mas a casa causa certas sensações estranhas nele, justificadas conforme o desenrolar da história. Uma série de acontecimentos estranhos se inicia.

Título: 666 O Limiar do Inferno  
Título original: 666
Autor: Jay Anson
Ano: 1981
Páginas:
252

Editora: Círculo do Livro

5 SABRES

Skoob | Goodreads | Adquira

32501294663062g

Sobre o autor

É comum que os romances de Jay Anson conduzam o leitor a um mundo desconhecido, que foge de nosso controle, sempre baseado em forças sobrenaturais, sempre manifestadas por entidades demoníacas. Seu vasto conhecimento em teologia sempre atualizadas nas novas pesquisas realizadas em domínios da parapsicologia o tornou referência nesses tipos de enredo com ligações e fatos com o submundo.

Com a carreira iniciada em 1937, atuando profissionalmente como copy-desk na redação do “Evening Journal” de Nova York, Jay Anson mais tarde ainda atuou na área de publicidade (produção sempre foi seu forte). Pouco mais adiante fez parte da companhia Profissional Films, Inc. e mora em Nova York. Mas para chegar em sua posição, Jay Anson redigiu mais de quinhentos roteiros de documentários para a televisão americana. Entre uma de suas obras mais mencionadas está o “Horror em Amityville”, publicado pelo Círculo, foi baseado em fatos reais (o que o tornou bastante interessante para os leitores), a obra foi amplamente divulgada pela imprensa. Jay Anson nasceu em 4 de novembro 1921 e morreu em 12 de março de 1980, aos 58 anos. O livro “666 No Limiar do Inferno” foi publicada também pela Círculo do Livro S.A. em 1981, um ano após sua morte. Traduzido por Gilberto Domingos do Nascimento e com layout da capa de Tide Hellmeister.

s_401601-mlb20349841420_072015-o

Sobre a Obra

É muito difícil resenhar uma obra sem deixar que o spoiler tire a magia do inesperado, portanto irei me concentrar em esclarecer que obra vocês meus #Nerdbookaholics, estão a conhecer sem tirar a magia do suspense contida nesta obra. Spoiler de um livro de suspense, horror e terror seria cruel, não acham? Enquanto aperfeiçoo minhas técnicas como resenhista sem dar spoilers, tentarei mantê-los apenas atualizados pelo o que lhes esperam.

O livro conta a história de uma mansão assombrada, cercada de mistérios e crimes. Entendam como ela se passa: No dia 10 de setembro de 1978, uma casa de madeira, branca e amarela, marcada por um duplo assassinato a cinco anos atrás, foi colocada em uma carreta e transportada para Pugget Sound. A casa de dois andares foi guinchada e colocada em numa enorme barcaça e rebocada para o mar. A tal casa em estilo vitoriano, permanecia vazia desde 1973, quando James Beaufort cometeu nela um duplo assassinato. A brutalidade deste crime abalou a pacata área residencial da cidade de Seattle. O advogado de Beaufort negou que seu cliente fosse forte o suficiente para cometer tais assassinatos. Mas olha que surpresa, pessoal: De maneira inesperada, no julgamento Beaufort confessou ambos os crimes aos jurados. Em 1974 após o crime que aparentava ser mais um caso de crime passional, movido pelo ciúme que fez Beaufort assassinar sua esposa e o seu cunhado, Beaufort passou a cumprir uma pena de vinte anos da Penitenciária Federal da Ilha McNeil. Logo já achei estranho pelo fato do crime ter sido movido por ciúmes, o que me deixou pouco crente no poder sobrenatural que eu poderia experimentar no livro, mas segui em frente, mesmo assim. Pouco se sabe ao certo sobre esse crime cometido pelo sr. James. Apenas o que ele dizia e isso podia ser uma forma elementar de provocar os leitores mais atentos, de qualquer forma eu continuei a tentar entender a ideia do cinismo desta história e não muito demorou.

A casa meus caros amigos e leitores, era um belo exemplo de uma arquitetura de meados do século XIX, que permanecia sob os cuidados da imobiliária Spatz, a mesma imobiliária que alugou a casa para o sr. Beaufort. A casa passava pela cisma e fama dos tais assassinatos, que acabou dificultando seu aluguel para novos inquilinos, enquanto muitos outros diziam que a casa era assombrada. De acordo com a imobiliária várias ofertas foram dadas na casa nos últimos anos, mas a imobiliária necessitou recusar todas, por ordem do proprietário que as rejeitou.

Vejam que estranho meus caros seguidores do Nerd Books, a imobiliária Spatz, diz nunca conhecer pessoalmente o proprietário, nem mesmo conhecem alguém que já o tenha visto em alguma ocasião. Ela não tem nem ao menos o endereço do tal proprietário que era conhecido apenas pelo registro no cadastro imobiliário como um tal sr. Coste. Todas as negociações eram feitas pelos correios e por telefone, pelo tal proprietário e que recentemente havia entrado em contato com a imobiliária para informar que o lote número 666, da Bremerton Road não estava mais disponível para aluguéis, mas apenas para venda. Desde então lembro que vários fatos estranhos ocorreram dentro da mansão e que os moradores afirmavam terem visto uma luz vermelha intensa que vinha de dentro da casa. Já o sr. Coste não informou onde seria o local para onde a casa iria ser levada após a venda e também a imobiliária Spatz não conseguiu dados ou informações sobre a companhia carregada de transportar a estrutura para maiores esclarecimentos. Pois bem, já com esses fatos misteriosos, eu já me senti atraído pelo suspense que poderia me levar ao horror e terror desta obra belíssima do Jay Anson. Eu achei que a leitura dos trabalhos de Anson são bem interessantes por ele ser meticuloso, ao mesmo tempo que ele não se prende muito, deixando logo a história seguir seu curso (o que torna tudo menos cansativo e não tira o foco dos últimos acontecimentos), prendendo você a cada momento como se algo o aguardasse para um momento intenso de acontecimentos sobrenaturais ou meramente mundanos. E gostei de verdade disso. Agora se deseja saber o que acontece com a mansão, para aonde a casa foi levada, quem a comprou e o que aconteceu com os novos moradores e todo o seu cruel enredo, apenas lendo para saber, pois aqui encerro minhas palavras para deixar o melhor desta obra a critério de suas mentes brilhantes e criativas.

Resumindo, ao lerem “666 No Limiar do Inferno” meus caros, vocês perceberão que a obra traz um universo maléfico e aterrorizante que se esconde numa casa, uma sólida mansão vitoriana, que se situa na Bremerton Road, nº 666. Em uma atmosfera densa, rodeada de surpresas sombrias, o que para os fãs do gênero nada mais é do que irresistível em seu enredo meticuloso e sobrenatural. Os amantes do estilo deram boas críticas a obra que caiu como encanto para os leitores e todos aqueles que acreditam haver mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia. Eu espero que gostem da leitura e comentem conosco o que acharam da experiência com o livro, estaremos ansiosos pelo SEU comentário. Boa leitura.

Até a próxima.

~Rodolfo Rodrigo