Editora DarkSide, Resenhas, Terror

Resenha: Menina Má, por William March

capa-menina-ma_02
Fonte: Darkside Books

Sinopse:

Publicado originalmente em 1954, MENINA MÁ se transformou quase imediatamente em um estrondoso sucesso. Polêmico, violento, assustador eram alguns adjetivos comuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Os críticos britânicos consideraram o livro apavorantemente bom. Ernest Hemingway se declarou um fã. Em menos de um ano, MENINA MÁ ganharia uma montagem nos palcos da Broadway e, em 1956, uma adaptação ao cinema indicada a quatro prêmios Oscar, incluindo o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark.

Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.

MENINA MÁ é um romance que influenciou não só a literatura como o cinema e a cultura pop. A crueldade escondida na inocência da pequena Rhoda Penmark serviria de inspiração para personagens clássicos do terror, como Damien, Chucky, Annabelle, Samara, de O Chamado, e o serial killer Dexter.

Título: Menina Má
Título original: The Bad Seed 
Autor: William March
Ano: 2016
Páginas:
272
Editora: Darkside Books

 

5 SABRES

Skoob | Goodreads | Compre

Resenha:

O mais fascinante em Menina Má é que, apesar de todas as passagens de percepção sobre o comportamento de Rhoda, não é mencionado no livro a palavra ‘sociopata’. Mas, March tem uma extrema facilidade de descrever todas as condições em que menina se encontra. Ele detalha cada irregularidade, o comportamento de suas vítimas e o dom aparentemente inato de manipular todos ao seu redor, crianças ou adultos. Eu não sei quando essa palavra, ‘sociopata’, entrou no nosso léxico. Eu só estou supondo que ele não estava em uso na década de 1950. Basicamente, esta é Rhoda Penmark: um caso a ser estudado.

william-march-escritor-autor-livro-menina-ma
Fonte: Google

Na verdade, o horror presente na história não é nos crimes de Rhoda, mas no processo em que sua mãe, Christine, leva a entender sobre a vida do jovem Rhoda – mortes acidentais de animais de estimação, colegas de escola, um vizinho. Não importa como Christine tenta racionalizar a sua vida, os crimes de Rhoda, o próprio dever de sua filha, a verdade é mais prejudicial do que ela tinha imaginado. Christine começa pesquisando casos de crianças assassinas e aprende algo sobre ela mesma, sobre seu passado e o fato de ter acobertado sua filha para protegê-la.

wgiptinseltown21
Fonte: Google

Leroy Jessup é o bruto, irritante, ressentido que trabalha no apartamento que as Penmarks vivem. Ele acaba observando as maquinações de Rhoda, e cria uma suspeita da morte de Claude Daigle, um colega que morreu afogado durante um piquenique de verão. Leroy constantemente faz “Zzzzz! Zzzz!” sons para ela – imitando a “pequena cadeira elétrica rosa”, onde as meninas más são enviadas. Brilhantemente, March acrescenta que Leroy “teria sido surpreendido ao saber que, em certo sentido, ele estava apaixonado pela menina, e que a sua perseguição por ela, sua preocupação persistente, fazia parte de um perverso e assustador amor.” Isso é muito f#da!

8172a2d59af1ea3d78dcf2e7ce5a1697
Fonte: Google

Ler Menina Má é divertido, perfeito para um frio em uma tarde quente de verão. Personagens como Monica Breedlove, a dona da casa e melhor amiga de Christine, são totalmente convincente; Depois, há Reginald, um escritor, a quem Christine confidencia sobre seu interesse em muitos jovens assassinos.

Nenhuma dúvida sobre isso: Menina Má é um thriller psicológico de primeira linha, um pouco ainda maravilhoso, despretensioso, com material pouco relacionado a assassinatos em si, escrito com habilidade, uma pequena obra-prima de horror que apresento lhes a conhecer de uma só vez!

Curtam! Comentem! Compartilhem! 

4 Estrelas, Editora DarkSide, Resenhas

Resenha: O Jogo – Trilogia: The Game – Anders de la Motte

91eHwAhwsnL._SL1500_

Sinopse:

Você quer jogar?

É só um jogo. Isso é o que pensa Henrik “HP” Peterson, protagonista da Trilogia The Game, ao aceitar um convite anônimo, via celular, para participar de missões inusitadas pelas ruas de Estocolmo (Suécia). Mas a cada tarefa cumprida, e devidamente compartilhada na rede, ele tem a sensação de que a brincadeira está ficando séria demais. Será paranoia?

Ou será que HP está realmente caindo numa poderosa rede de intrigas, com conexões que poderiam chegar aos responsáveis pelo assassinato do primeiro ministro sueco em 1986 ou até mesmo aos ataques do 11 de setembro?

Quem afinal está por trás desse JOGO?

Você tem coragem de investigar?

Título: Trilogia: The Game Vol. 1 
Título original: Game: A Thriller (Game Trilogy)
Autor: Anders de la Motte
Ano: 2015
Páginas
: 272
Editora: DarkSide

Skoob | Goodreads

Resenha:

O Jogo, é um romance que mexe com sua cabeça e te deixa ansioso ao ponto de devorá-lo em instantes.

A história começa na Suécia com o nosso herói, Henrik Petterson ou como mais conhecido, HP, quando acha um telefone celular misteriosamente num metrô. Na tela do celular, há um convite para jogar um jogo, onde HP teria que roubar algo de uma passageira. Além de ser recompensado com dinheiro a tarefa cumprida também lhe dá pontos e fãs anônimos. Porém, as tarefas começam a ficar difíceis…

O livro traz questões das quais nos fazem pensar o quanto o ser humano é capaz de fazer para “crescer” financeiramente.

HP é um protagonista interessante, me vi muitas vezes torcendo por ele. Desempregado, acaba realizando alguns furtos e usando drogas. Primeiramente, não é fácil aceitar seus pensamentos e narração. Às vezes soava como um pouco imaturo, mas nem por isso deixou de ser engraçado e diferente.

Anders de la Motte mostra em HP como as pessoas possuem um ego frágil, a necessidade da aprovação e adoração. Anders também se mostra um dominador quando o assunto é tecnologia. 

Outra personagem que chamou minha atenção é Rebecca, membro da polícia sueca. Ela é um guarda-costas que protege o alto escalão político e vemos o quanto luta em predominância masculina. Rebecca e seu passado obscuro me deixou muito intrigado.

**Não posso contar muito sobre ela senão irei dar spoiler.**

O Jogo é mais que um romance, é um Thriller. O ritmo do livro é intenso e intrigante. A DarkSide como sempre nos deixa boquiabertos e mal espero para o segundo e terceiro livro. Nem preciso falar da diagramação, né? Impecável! ❤

E você, quer jogar?

BOM!
BOM!

Terror

Lista de 13 livros para ler na sexta-feira, 13!

Oi, como estão?

O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 constelações do Zodíaco. Já o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado e também é considerado um dia de azar. Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar (13) tem-se pela tradição, o mais azarado dos dias.

Segue lista com livros que vão te aterrorizar… HAHAHAHAHAHAHA (risada de bruxo)…

Após o sucesso do seu primeiro livro, Ilana Casoy dedicou-se a uma pesquisa rigorosa para investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras tupiniquins, para compor um inquietante roteiro com rigor investigativo de como, por quê e com que métodos os serial killers brasileiros atuam.

Em Made in Brazil, Casoy relata sete casos de serial killers brasileiros, três dos quais ela entrevistou pessoalmente: Marcelo Costa de Andrade, o vampiro de Niterói, um dos casos e depoimentos mais chocantes do currículo da autora; Francisco Costa Rocha, o Chico Picadinho; e Pedro Rodrigues Filho, o Pedrinho Matador. Um relato cruel feito pelos próprios assassinos, conduzido com maestria por quem entende do assunto, que procura guiar o leitor pela sinuosa mente de pessoas frias e com movimentos mais que premeditados para o mal. Além deles, a autora se debruça sobre a vida e os crimes de José Augusto do Amaral (Preto Amaral), Febronio Índio do Brasil, Benedito Moreira de Carvalho (Monstro de Guaianases) e José Paz Bezerra (Monstro do Morumbi).

****** 13 ******

Continue lendo “Lista de 13 livros para ler na sexta-feira, 13!”