Artigos, Curiosidades, Filmes

Com astro de Vingadores, novo Jurassic Park terá a MAIOR mudança da franquia

Jurassic World: Dominion terá uma diferença importante em relação a todos os filmes anteriores: não será ambientado em uma ilha. O diretor de Jurassic World 3, Colin Trevorrow, confirmou que Chris Pratt (Vingadores: Ultimato) e Bryce Dallas Howard (Homem-Aranha 3) voltarão como Owen Grady e Claire Dearing, respectivamente, ao lado dos membros originais do elenco de Jurassic Park, Sam Neill, Laura Dern e Jeff Goldblum.

No entanto, não se sabe muito sobre o enredo de Jurassic World 3, exceto que continuará de onde Jurassic World: Reino Ameaçado parou, com os dinossauros se aventurando dos confins de Ilha Nublar para todo o mundo.

Todos os cinco filmes da franquia Jurassic Park foram ambientados em duas ilhas distintas: Ilha Nublar e Ilha Sorna. O Jurassic Park original, bem como os filmes de reinicialização Jurassic World e Reino Ameaçado, ocorreram na Ilha Nublar, a principal ilha localizada na costa do Pacífico da América Central, onde John Hammond (Richard Attenborough) criou seu parque temático repleto dinossauros geneticamente modificados.

Jurassic World Evolution

Ilha Sorna, uma ilha vizinha que contém a estação de pesquisa InGen onde os clones dos dinossauros foram criados pela primeira vez, é o cenário das sequências Jurassic Park: O Mundo Perdido e Jurassic Park III. Em Reino Ameaçado, no entanto, os dinossauros sobreviventes que foram transportados para a propriedade de Benjamin Lockwood (James Cromwell) são libertados de suas gaiolas por Maisie Lockwood (Isabella Sermon) e partem para o continente – iniciando uma nova Era Jurássica.

Diferentemente dos filmes anteriores de Jurassic Park, Dominion será o primeiro filme da franquia a romper com a fórmula original de Jurassic Park, fazendo com que os dinossauros explorem além de seu ambiente controlado. Com exceção de Jurassic Park: O Mundo Perdido, que contou com um tiranossauro rex causando estragos na cidade de San Diego antes de retornar à Ilha Sorna, grande parte dos danos causados pelos dinossauros em filmes anteriores geralmente é restrita a uma única ilha e não tem efeito duradouro no mundo exterior.

Em vez de seguir a fórmula tradicional com humanos invadindo o mundo isolado dos dinossauros, a visão de Trevorrow para Dominion reverte o conceito, fazendo com que esses predadores invadam nosso próprio mundo, principalmente no deserto, onde os dinossauros “podem correr na frente do seu carro em um nevoeiro, ou invadir o seu acampamento à procura de comida”.

Jurassic Park

Em vez de seguir a fórmula tradicional com humanos invadindo o mundo isolado dos dinossauros, a visão de Trevorrow para Dominion reverte o conceito, fazendo com que esses predadores invadam nosso próprio mundo, principalmente no deserto, onde os dinossauros “podem correr na frente do seu carro em um nevoeiro, ou invadir o seu acampamento à procura de comida”.

Dinossauros soltos pelo mundo

Embora os dinossauros geneticamente modificados sempre representem uma ameaça ao ecossistema da Terra e à população humana em geral no universo de Jurassic Park, Dominion será o primeiro filme a realmente interpretar esse conceito. Veremos como os dinossauros alteram a face do nosso mundo, uma vez que é impossível retornar à sua ilha.

Continue lendo “Com astro de Vingadores, novo Jurassic Park terá a MAIOR mudança da franquia”
Adaptações, Artigos, Séries

‘O Mundo Sombrio de Sabrina’: [SPOILER] pode morrer em temporada futura

‘O Mundo Sombrio de Sabrina’ tornou-se uma das melhores e mais adoradas séries da Netflix – mesclando terror e comédia em um cenário arrepiante. E, levando em conta que a produção já está renovada para uma 4ª temporada, é possível que mais sacrifícios sejam colocados nos próximos episódios, incluindo a morte de um dos personagens principais: Harvey Kinkle (Ross Lynch).

Apesar de não ter sido confirmada pelo criador Roberto Aguirre-Sacasa ou por seu aplaudível time criativo, a ideia não é impossível. Vale lembrar que a série é adaptação dos clássicos quadrinhos homônimos da Archie Comics e, em um dos volumes (mais precisamente em Chilling Adventures of Sabrina #4, de Aguirre-Sacasa e Robert Hack), Harvey é morto durante o batismo de Sabrina.

Na narrativa, intitulada Harvey Horrors, ele a segue na floresta após Madame Satã o manipular, dizendo que Sabrina o estava traindo. As bruxas, então, o perseguem e o comem, dizendo para a jovem feiticeira que “ele era delicioso”. Assim que vê o cadáver de Harvey, Sabrina tem uma visão do futuro que poderia ter. As coisas complicam ainda mais em The Trial, no qual, em uma tentativa de ressuscitar Harvey, ela apenas traz seu corpo vazio de volta – abrindo espaço para Edward Spellman, pai não-biológico de Sabrina, se aproveitar da situação.

A história eventualmente foi cortada da adaptação seriada – afinal, Sabrina e Harvey se separaram e a bruxinha resolveu cortar quaisquer laços românticos com seu ex-namorado através de um feitiço. Entretanto, isso não significa que a trama não possa ser resgatada em interações futuras.

Para aqueles que não se recordam, Lúcifer, pai verdadeiro de Sabrina, tenta levá-la a qualquer custo para o lado das Trevas e transformá-lo na impiedosa Rainha do Inferno que ele tanto sonhou. Entretanto, sua forte aproximação com a vida mundana – principalmente no tocante a seus amigos – é o que a impede se seguir os passos do pai. Logo, matar Harvey em qualquer ponto da série poderia pavimentar o caminho para Sabrina Spellman se transformar em Sabrina Estrela-da-Manhã.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Via: CBR

4 Estrelas, Filmes

Crítica: Você Nem Imagina, Netflix

O filme é estrelado por Leah Lewis como Ellie Chu. Ela é uma estudante extremamente brilhante do ensino médio que não é muito boa em interações sociais. De fato, a interação de Ellie com seus colegas se limita a ser paga para concluir as tarefas de casa para eles. No entanto as coisas mudam para Ellie quando ela recebe um pedido incomum de um jogador de futebol chamado Paul (Daniel Diemer). Paul não quer que ela escreva um artigo para ele; ele quer que ela escreva uma carta de amor para sua paixão, Aster (Alexxis Lemire). Ellie insiste que é uma coisa única, mas antes que ela perceba, ela está completamente envolvida no relacionamento enquanto cresce bastante perto de Paul no processo.

Há muito o que amar sobre Você Nem Imagina, principalmente quando se trata de talento crescente. A maior revelação do grupo é Lewis.

Mesmo que Ellie se refira e lute com uma quantidade infeliz de bullying, ela ainda tem uma confiança magnetizante nela. Ela sabe em qual faixa está e escolhe permanecer diligentemente nela, seguindo o curso que ela imaginou para si mesma, sem desvios. Não é até que ela seja inesperadamente exposta a outras possibilidades através de sua amizade com Paul que ela lentamente começa a se abrir e abraçar as coisas que estava excluindo antes. E uma transformação de personagem comovente que atinge especialmente com força, graças às nuances no trabalho de Lewis e à acessibilidade que ela torna Ellie ao longo do filme. A metade disso não vem com um “momento aha” que muda rapidamente a visão de Ellie sobre si mesma e as pessoas ao seu redor; lentamente, elimina as verdades que Ellie acha que deve respeitar e, em seguida, dá tempo suficiente para reavaliar, resultando em uma transformação que parece real, crua e significativa.

Via Netflix

Paul também cresce bastante, mas esse personagem encontra maDiemer fazendo um argumento muito atencioso e astuto com essa batida em particular e Diemer consegue fazer com que o diálogo seja direto quando necessário, mas é um pouco lamentável ver uma das idéias mais profundas do filme resolvida em questão de minutos, e deixar de ver e sentir Paul chegar a uma conclusão especifica.

Também existem limitações semelhantes para Aster, uma personagem que está estourando com o que parece se libertar e abraçar quem ela realmente quer ser. Lemire aborda o papel com grande sinceridade, deixando bem claro como Paul e Ellie poderiam se apaixonar por ela de uma maneira unica. Mas é difícil não querer passar mais tempo no mundo de Aster também.

Há uma luta interna realmente interessante acontecendo la que poderia ter aproveitado tantos temas e ideias que valem a pena, de pressões externas a lutas socioeconômicas e mais algumas, mas não há tempo de tela suficiente para fazer tudo isso.

Via Netflix

Sim, o terceiro ato de Você Nem Imagina parece um pouco apressado, mas o intenso desespero por mais está definitivamente ligado ao grande sucesso que Wu encontra ao estabelecer esses personagens e construir este mundo. A atmosfera em particular aqui é extremamente eficaz. A paleta de cores quentes, a sensibilidade dos três personagens principais e o fato de Wu saber exatamente quando manter a câmera neles; tudo isso cria uma existência extremamente completa, cheia de coração e charme. Mesmo quando uma cena depende muito de mensagens de texto, Wu sabe exatamente como enquadrá-las e acompanhá-las para tornar esses momentos extremamente naturais com o peso emocional de uma conversa tradicional orientada pelo diálogo.

Outra qualidade que ajuda Você Nem Imagina a aterrissar é o grande momento e o cuidado que Wu coloca em garantir que cada quadro desse filme tenha valor. Há uma série de revelações instantâneas que funcionam muito bem, mas uma das qualidades mais gratificantes de Você Nem Imagina é quando assistimos Ellie ver o valor de algo que ela expressamente descartou anteriormente no filme. Você Nem Imagina não é uma comédia romântica simples, com um final fácil “eles vão ou não ficarão juntos”. É um estudo de caráter e também uma dissecação de relacionamentos. Estamos condicionados a acreditar que encontrar “o único” é o ser tudo, o fim de tudo, mas o que isso significa? Tem que ser um relacionamento romântico? E tem que ser tão simples quanto duas metades formando um todo? São perguntas grandes, com muitas respostas, e o exame de Wu sobre isso é poderoso o suficiente para incentivar uma pessoa a dar um passo ousado para melhor, independentemente da definição de “a única”.

Adaptações, Artigos, Curiosidades, Terror

VOCÊ CONHECE A HISTÓRIA DE “EU SOU A LENDA”?

eu-sou-a-lenda-wall-1080x675-1

Ao ouvir de falar ‘Eu Sou A Lenda’ a maioria das pessoas lembra do filme de 2007 que conta com Will Smith no papel principal do brilhante cientista Robert Neville. No blockbuster de 2007, o personagem de Will Smith enfrenta uma verdadeira infestação zumbi que domina o mundo e a cidade de Nova York. O que muitas pessoas não sabem é que o filme de Francis Lawrence é baseada no livro de 1954 de Richard Matheson e não é a única adaptação feita da história para as telas.

O conto de Richard Matheson, que já foi lançado no Brasil como A Última Esperança sobre a Terra e também como Eu Sou A Lenda, já foi adaptado para as telas em The Last Man on Earth (1964), A Última Esperança da Terra (The Omega Man, 1971 – com Charlton Heston no papel principal) e A Batalha dos Mortos (I Am Omega, 2007 – mesmo ano da estréia do filme que contou com Smith).

O mais surpreendente é que o livro original não trata de zumbis e sim de uma praga que transforma as pessoas em vampiros! Uma excelente HQ de Steve Niles e Elman Brown adaptou de forma perfeita a obra de Richard Matheson para a mídia. A história chegou ao Brasil em 2010 em uma edição da Devir com a história completa!

eu-sou-a-lenda-0002

As Diferenças do Filme para a HQ “Eu Sou A Lenda”

Ao contrário do que acontece no filme de 2007, a história original de Eu Sou A Lenda apresenta um Robert Neville não tão genial e focado quanto o personagem interpretado por Will Smith. Na HQ de Steve Niles e Elman Brown (e no livro de Richard Matheson), o personagem principal ainda é inteligente e determinado mas seu sofrimento é constante e ele abusa do álcool e do cigarro de forma constante para fugir de suas frustrações. A praga vampiresca da revista também apresenta características distintas e mostra um certo nível de inteligência que os zumbis do longa não deixam claro até os momentos finais do filme.

A dinâmica da HQ, que possui desenhos sombrios que geram uma sensação de perigo e claustrofobia o tempo inteiro, faz questão de mostrar o quanto o dia-a-dia de Neville é sofrido e solitário (nada de cães para aliviar a solidão aqui). O tormento provocado nas noites, principalmente pelo seu antigo vizinho Ben Cortman, são os pontos altos da história. Aqui os vampiros sabem onde é a casa de Neville e passam as noites berrando para que ele saia dela – onde fica trancado com diversos itens do lado de fora que impedem a entrada do raivoso bando.

eu-sou-a-lenda-0001

O pessimismo é muito mais latente na HQ do que na adaptação para o cinema e, assim como Neville, é fácil nos pegarmos tentando entender porque o personagem não acaba logo com a sua própria vida. A obra original de Richard Matheson, que é seguida de forma bem fiel na HQ, vai fazendo com que Robert Neville evolua pouco a pouco e a mudança é nítida conforme o personagem vai perdendo suas conexões com o passado e enterrando suas memórias.

A HQ Eu Sou A Lenda não dá margem para termos esperança. A história mostra, ao contrário do filme homônimo de 2007, que a luta de Robert Neville é pela sobrevivência e que a raça humana como um todo já se perdeu a algum tempo – ele cita algumas vezes uma guerra que deve ter desencadeado a ascensão dos vampiros.

eu-sou-a-lenda-0003

Tanto o filme quanto a HQ de Eu Sou A Lenda tem seus méritos. Porém a HQ se mantém mais fiel ao original de Richard Matheson e funciona mais enquanto produção de terror.

Conseguindo nos fazer arrepiar e sentir o desespero de Neville em cada página, a HQ Eu Sou A Lenda é uma excelente leitura para os amantes do gênero e para quem só conhece a história pelo filme protagonizado por Will Smith

Adaptações, Stephen King

TOP 10 STEPHEN KING: OS MELHORES FILMES

Stephen King, é um famoso autor de livros norte-americano que faz muito sucesso (inclusive é um dos meus autores favoritos). Nascido no Maine nos EUA, Stephen já vendeu mais de 400 milhões de cópias de seus livros e é o nono autor mais traduzido do planeta!

Suas obras normalmente tratam de temas relacionados ao terror ou a ficção científica e já foram adaptadas para as telas do cinema e séries incontáveis vezes. Seu primeiro livro, Carrie, foi lançado em 1974 e adaptado ao cinemas em 2013, 2002 e em 1976.

Para enaltecer o autor e suas obras, decidimos ordenar os filmes baseados na obra de King que mais agradam ao espectador, independentemente de serem pouco ou muito fiéis a obra original.

Vamos lá?

Quais são os 10 melhores filmes baseados na obra de Stephen King

a2bespera2bde2bum2bmilagre
A ESPERA DE UM MILAGRE

À Espera de Um Milagre (The Green Mile, 1999) foi lançado em 2000 no Brasil e dirigido pelo cineasta Frank Darabont. A história narra a relação entre Paul Edgecomb (Tom Hanks) e um prisioneiro (Michael Clarke Duncan) sentenciado a pena de morte por estuprar e assassinar duas meninas. O problema é que o prisioneiro de aspecto assustador na verdade possui um comportamento extremamente dócil e parece possuir dons sobrenaturais. A história se desenvolve em pouco mais de três horas e fica na cabeça durante muito tempo. Imperdível!

xmorgan-freeman-3.jpg.pagespeed.ic_.feeluwte2l
UM SONHO DE LIBERDADE

Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption) foi lançado em 1994 e foi um tremendo fracasso nos cinemas. Dirigido por Frank Darabont, o filme acabou ficando famoso após chegar ao VHS e é hoje facilmente reconhecido como um dos melhores filmes baseados em obras de Stephen King.

A história acompanha Andy Dufresne (Tim Robbins) que é condenado a prisão perpétua após o assassinato de sua esposa e o amante. Só Andy sabe se os crimes foram de fato cometidos por ele.

Porém, em seus 19 anos em cárcere, o antigo contador cria laços de amizade com Red (Morgan Freeman) e passa por todo tipo de situação na prisão de Shawshank. Emocionante, o filme é um dos poucos baseados em obras do autor que não possui um elemento paranormal forte.

shining-2-im-des
O ILUMINADO

Lançado em 1980, O Iluminado (The Shining) conta a história de um escritor chamado Jack Torrance (Jack Nicholson) que aceita se tornar caseiro do Hotel Overlook no período de inverno quando o hotel fica isolado nas montanhas pelas fortes nevascas.

Na companhia de sua esposa (Shelley Duvall) e filho (Danny Lloyd), Jack descobre que o hotel possui uma história sombria que vai pouco a pouco modificando seu comportamento. O curioso é que o filme dirigido pelo mestre Stanley Kubrick sofreu diversas críticas do próprio King que considera o filme “um Cadillac grande, lindo e sem um motor dentro” conforme afirmou em entrevista ao Collider em 2016.

As críticas do autor se direcionam em grande parte ao roteiro que, segundo ele, não deram profundidade a Jack e transformaram sua esposa em uma pessoa “que nada faz além de gritar”.

Apesar das duras críticas de King, O Iluminado segue como uma das obras favoritas de muitos fãs.

it-a-coisa
IT: A COISA

It: A Coisa (It) chegou aos cinemas em 2017 dirigido por Andy Muschietti. Uma das mais famosas obras de Stephen King, conta a história da cidade de Derry que parece ser assombrada há décadas por um ser maligno. Cabe a um grupo de crianças tentar desvendar o mistério e parar as ações do Palhaço Pennywise (Bill Skarsgård). Com efeitos especiais impressionantes e uma excelente atuação de Bill Skarsgård, a segunda adaptação audiovisual do livro de Stephen King não decepciona

carrie-a-estranha-0
CARRIE, A ESTRANHA

Lançado em 1976, a primeira adaptação de Carrie, A Estranha (Carrie) foi dirigida por Brian De Palma e contava com Sissy Spacek (Carrie White), Piper Laurie (Margaret White) e John Travolta (Billy Nolan).

A história acompanha a vida da adolescente Carrie que vive alheia e solitária por conta de uma mãe super protetora e religiosa ao extremo. A adolescente começa a desconfiar que possui poderes paranormais e depois de ser convidada para o baile de formatura as coisas saem completamente do controle. A adaptação da obra de Stephen King feita por Brian De Palma envelheceu muito bem e é extremamente interessante para os fãs de terror até hoje.

o-aprendiz-apt-pupil-plano-critico-600x400-1
O APRENDIZ

O filme de 1998 O Aprendiz (Apt Pupil) é baseado no conto “Aluno Inteligente” de Stephen King.

Dirigido pelo famoso Bryan Singer, o filme conta a história do jovem Todd (Brad Renfro) que descobre o passado de seu vizinho Kurt (Ian McKellen) com o nazismo. Para não denunciá-lo o jovem exige que Kurt conte tudo sobre os campos de concentração da 2ª Guerra. A história, que mostra um intenso jogo psicológico, é muito interessante e vai te deixar grudado na cadeira do começo ao fim.

fb7f84be0b9ce9b67aa88809a609c92d
CONTA COMIGO

O clássico da Sessão da Tarde Conta Comigo (Stand by Me) foi lançado em 1986 com direção de Rob Reiner e é outro dos filmes baseados em livros de Stephen King que não possui fortes elementos sobrenaturais. O filme acompanha quatro amigos que durante a infância decidem sair em uma aventura para ver o corpo de um desconhecido morto por acidente. Gordie Lachance (Wil Wheaton), Vern Tessio (Jerry O’Connell), Chris Chambers (River Phoenix) e Teddy Duchamp (Corey Feldman) vêem uma simples brincadeira evoluir para um evento marcante em suas vidas. O longa ainda conta com Kiefer Sutherland em uma história que envolve a passagem da infância para a vida adulta.

il_tagliaerbe
O PASSAGEIRO DO FUTURO

O Passageiro do Futuro (The Lawnmower Man) foi lançado em 1992 com direção de Brett Leonard e tem um elenco estelar composto por Jeff Fahey, Pierce Brosnan, Jenny Wright e Dean Norris.

A ficção científica de horror é o centro de uma grande polêmica, uma vez que o próprio Stephen King disse que o longa não possui semelhanças significativas com seu conto “O Homem do Cortador de Gramas” (The Lawnmower Man) e inclusive processou os produtores para que seu nome fosse tirado do filme e parasse de ser associado a ele. O filme conta a história de Jobe Smith (Jeff Fahey), um jardineiro com problemas mentais que se submete a uma experiência com realidade virtual. Pouco tempo após ser inserido no experimento do Dr. Lawrence Angelo (Pierce Brosnan), ele consegue assumir controle daquele novo mundo.

Apesar de muito diferente do conto original, o longa tem um roteiro bastante interessante, o que rendeu inclusive uma sequência que estreou nos cinemas em 1996.

08022017-christine_1983-2
CHRISTINE, O CARRO ASSASSINO

Lançado em 1983 e dirigido pela lenda do horror John Carpenter, Christine, o Carro Assassino (Christine) é mais um dos filmes de terror baseados na obra de Stephen King. O filme conta a história de Arnie Cunningham (Keith Gordon) que compra um Plymouth Fury 1958 que ele nomeia como Christine. Centro das atenções na vida de Arnie, o carro em pouco tempo passa a demonstrar ciúmes de seu proprietário, interferindo na vida de Arnie e mostrando suas “habilidades especiais”.

Um clássico do terror!

evqnbgtxqaawf3r
ROSE RED – A CASA ADORMECIDA

Dirigido por Craig R. Baxley e lançado em 2002, Rose Red – A Casa Adormecida (Rose Red) é um filme assustador que conta a história de um grupo de paranormais que precisa desvendar o mistério de uma casa que já provocou o desaparecimento do milionário que a construiu e de sua filha. Carregado no suspense e no horror, o filme capricha em cenas de terror que mostram que a casa pode ser mais cruel e maligna do que parece!

Mais assustador ainda é saber que King admitiu ter se inspirado na história real da viúva Sarah Winchester e sua mansão, situada em San Jose, na Califórnia… arrepios!

Bônus

it-uma-obra-prima-do-medo-plano-critico-600x400-1
IT: UMA OBRA PRIMA DO MEDO

It: Uma Obra Prima do Medo (It) foi lançado em 1990 e traumatizou muitas crianças que ficaram com medo de palhaço. A história traz uma atuação impecável de Tim Curry como o palhaço que aterroriza Derry – Pennywise. Os dois episódios da minissérie mostram os personagens enfrentando o vilão ainda crianças e após a maturidade

Gostou da lista? Sentiu falta de algum filme que você gosta? Conte para a gente nos comentários!

Curiosidades

UMA VIAGEM PELA LITERATURA FANTÁSTICA BRASILEIRA: ANJOS, DRAGÕES E VAMPIROS

Quando pensamos em literatura fantástica, O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Nárnia, Harry Potter, e muitos outros nos vêm à mente, e não estamos enganados de pensar assim, entretanto, muitos ignoram as obras produzidas aqui no Brasil. Deixando de lado a literatura clássica e falando dos ícones da literatura brasileira do século 21, temos os mestres de mundos fantásticos que estão ao alcance de uma página.

 

Comecemos então com Eduardo Spohr, responsável por dar vida aos anjos.

Seu primeiro livro, lançado em 2007 pela galera do Jovem Nerd (ele é membro do Nerdcast) foi “A Batalha do Apocalipse”. Neste livro, somos apresentados a um mundo prestes a ruir em meio as guerras dos homens, enquanto nos bastidores, anjos e demônios se preparam para a batalha destinada do fim dos tempos. A medida que acompanhamos o protagonista Ablon, Spohr nos dá uma visão diferente de diversos acontecimentos, históricos e bíblicos, apresentando diversos personagens que englobam a ambiguidade que diversas obras já atribuíram aos seres angelicais. Não falarei em grandes detalhes sobre a obra para não estragar as surpresas daqueles que se sentirem tentados a ler.

A seguir, Sporh lançou uma trilogia chamada de Filhos do Éden (Herdeiros de Atlântida, Anjos da Morte e Paraíso Perdido) que servem para expandir seu universo, além de mais recentemente ter lançado um guia para RPG de mesa utilizando seus personagens.

Segundo o próprio Sporh, suas influencias vão de Tolkien, Alan Moore, Neil Gaiman a Matrix e Saint Seiya.

A seguir, o mestre dos dragões Raphael Draccon. Neste caso, cabe falar primeiramente sobre as influências deste autor, uma vez que elas são notáveis em sua obra. Os universos de éter de Draccon trazem referências de Thundercats, He-Man e Cavaleiros do Zodíaco, além dos clássicos tokosatsus.

Em seus livros da trilogia Dragões de Éter, sonhos de semideuses (os leitores) moldam mundos e através da narrativa somos convidados a sonhar com estes mundos, enquanto acompanhamos a trama que envolver personagens diretamente dos contos de fadas, como a Chapeuzinho Vermelho e João e Maria.

Em Fios de Prata, somos levados aos domínios de Sandman, mestre do Sonhar, onde através de diversas aventuras acompanhamos um jovem descobrir o poder de seus sonhos e também o poder de inspirar outros a sonharem.

Por fim, sua mais recente trilogia, O Legado Ranger, tira inspiração dos tokosatus japoneses para contar uma história de heroísmo moderna. O enredo parece de uma temporada não lançada de Power Rangers, exceto pelo fato de que os protagonistas ali estão muito mais próximos dos rangers do filme recente do que os da série de TV: tratam-se de pessoas reais, unidas contra sua vontade para enfrentar um mal para o qual não estão preparadas.

Por fim, o rei da noite, André Vianco. Inspirado pelos livros de terror de Stephen King e pelas crônicas de Anne Rice, Vianco iniciou sua empreitada no mundo literário de maneira independente no ano de 1998.

Seu primeiro livro, O Senhor da Chuva, conta a história de uma guerra entre anjos e demônios se desenrolando na terra, apresentando alguns fatos e personagens que eventualmente aparecem em suas demais obras.

Em 1999, com o lançamento de Os Sete, Vianco entra no ramo do vampirismo, uma vez que este livro trata da descoberta de um caixão centenário que é trazido para o Brasil e aberto, liberando os horrores contidos dentro dele. Presos por muitos anos lá dentro, sete vampiros aguardavam a liberação. É a partir destes acontecimentos que se desenrolam as tramas seguintes, continuadas em Sétimo e nos livros do Turno da Noite (3 volumes) e dos Vampiros do Rio Douro (2 volumes). Além de livros isolados (que as vezes se conectam) escreveu também a série O Vampiro Rei e a série Meus Queridos Monstrinhos (livros infantis que adaptam os elementos de terror para crianças, estranho não?)

Existem diversos outros autores excelentes espalhados pelo Brasil afora dos quais eu não falei aqui, mas isso não os torna menos importantes, deixem aí nos comentários quais os seus autores nacionais favoritos e porquê.

Harry Potter, J.K. Rowling

Daniel Radcliffe e outras celebridades leem capítulos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Stephen Fry, Eddie Redmayne e Dakota Fanning também fazem parte do projeto

Saber a história de Harry Potter agora ficou mais fácil: diversas celebridades, incluindo Daniel Radcliffe, Stephen Fry, Eddie Redmayne e outras gravaram os 17 capítulos de Harry Potter e a Pedra Filosofal.

O anúncio foi feito por meio do Twitter oficial do Wizarding World, com um vídeo reunindo Radcliffe, David Beckham, Dakota Fanning, Eddie Redmayne, Stephen Fry, Claudia Kim e Noma Dumezweni. Cada um deles lerá capítulos diferentes do livro que serão lançados semanalmente no Spotify – apenas em inglês.

Radcliffe, que viveu o personagem Harry Potter no cinema, começou a leitura com o primeiro capítulo da obra, “O garoto que viveu”. Você pode assistir ao vídeo do ator aqui.

O projeto faz parte da iniciativa “Harry Potter ar Home”, anunciada por J.K. Rowling para ajudar durante o isolamento social para conter a COVID-19, o novo coronavírus.

“Surpresa! Nós temos um presente para você… A partir de hoje, amigos do Wizarding World se revezarão na leitura do primeiro livro de Harry Potter. E para começar o Capítulo 1, achamos que temos o narrado perfeito”, diz a publicação de anúncio.

Dicas, Harry Potter, J.K. Rowling

Motivos Pelos Quais Você Deve (re) Ler Harry Potter

Embora parte do sucesso da saga se deva às bem-sucedidas adaptações cinematográficas, nós separamos alguns motivos pelos quais você deve (re) ler Harry Potter.

Entenda por que esse universo cativou milhões de fãs no mundo todo!

8e9057c0-9d52-4c63-b7f8-3c31563bbbb7
Ig: @sofibatt

❤️Descubra passagens que não foram exploradas nos filmes

Não é de hoje que a sétima arte tem nos livros uma fonte de inspiração. Por mais bem-sucedida que seja a versão para o cinema, os roteiristas dificilmente conseguem reproduzir todos os acontecimentos relevantes. Em “Pedra Filosofal”, por exemplo, o longa omite o momento em que Hermione decifra um enigma feito pelo professor Snape. Essa ação é decisiva para que eles encontrem a pedra filosofal.

💚Conheça melhor a personalidade dos personagens

Ler Harry Potter também é uma chance para que você conheça melhor a personalidade de seus personagens favoritos. Nas páginas dos livros, por exemplo, fica claro que as reações de Gina Weasley mudam quando ela se aproxima de Harry. Do mesmo modo, a obra impressa dá sinais mais evidentes de que Snape trata Potter e seus amigos de maneira diferente, e não simplesmente odeia a todos.

💙Encontre referências e metáforas ao mundo real

Paralelo ao viés fantasioso, temas importantes são inseridos no enredo. Um exemplo disso é o preconceito sofrido por quem tem sangue-ruim (bruxos filhos de pessoas sem poderes). Descritos como criaturas horríveis e sem esperanças, que sugam a vida das pessoas, os Dementadores também são uma alusão à depressão.

💛Acompanhe a evolução da linguagem e de temas

Somados, os sete livros da saga Harry Potter chegam a mais de 3250 páginas. Mas, em nenhum momento, este chega a ser um empecilho para a conclusão da leitura. Como cada volume acompanha um ano da vida dos bruxos em Hogwarts, a autora adiciona novos elementos, conflitos e temas à medida que os personagens crescem.

Depois de ler Harry Potter, você vai constatar que as histórias do bruxinho também funcionam como um incentivo à leitura. Nos vemos em Hogwarts! 🧹🧙🏻‍♂️